fancybox - Touch enabled, responsive and fully customizable jQuery lightbox script

Pesquisadores da UFLA avaliam desempenho de touros Angus e Simental da Casa Branca em altas temperaturas

Os professores Tarcísio de Moraes Gonçalves e Sarah Laguna Conceição Meirelles, da Universidade Federal de Lavras (UFLA), intensificam os preparativos para mais uma Prova de Ganho de Peso de touros jovens da raça Angus e Simental do programa de melhoramento genético da Casa Branca Agropastoril, no sul de Minas Gerais. A Prova terá início no começo do segundo semestre do ano.

A UFLA realiza há três anos programa de avaliação focado na adaptabilidade das raças Angus e Simental. Com as informações colhidas, a Casa Branca aprimora o seu programa e comercializa reprodutores com maior confiabilidade em características produtivas e reprodutivas para diferentes regiões do País.

"Essas provas de ganho de peso são ferramentas simples, mas essenciais para a obtenção de resultados confiáveis das características avaliadas em machos de sete a 10 meses de idade. A PGP ajuda a identificação de animais geneticamente superiores em grupos de contemporâneos, podendo ser mensuradas as características de cada animal", esclarece a professora Sarah Meirelles.

A Prova de Ganho de Peso coordenada pela UFLA consiste em seguir os seguintes critérios:

  1. Seleção de animais contemporâneos não ultrapassando a diferença de idade de 90 dias
  2. Adaptação dos animais confinados em 56 dias, período necessário para retirar os efeitos residuais (manejo e alimentação) que podem influenciar o desempenho durante a prova, além de adaptar à nova dieta
  3. A cada 28 dias, os animais são pesados para obtenção da avaliação das características preestabelecidas na prova: morfologia, rendimento de carcaça, adaptabilidade e desempenho
  4. Avaliação genética: ao final dos 168 dias da PGP, os dados são processados gerando os índices finais da prova

"A Prova de Ganho de Peso com a chancela da UFLA é uma importante ferramenta de avaliação dos reprodutores da Casa Branca. Com isso, conseguimos ter maior acurácia nas características positivas dos reprodutores taurinos (Angus e Simental) para cobrir com eficiência a vacada em diversas regiões do Brasil".